sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Juízes – Aula 11: Mica e a tribo de Dan




Resumo: “A tribo de Dan não pôde ocupar todo o território que lhe havia sido dado (Juízes 1.34) e saiu à procura de uma terra que fosse só deles (Juízes 18.2). No extremo norte do país, encontraram um território que passou a ser deles. Ali, também começaram a adorar um ídolo que havia sido roubado de um homem chamado Mica (17.2; 18.17, 20, 27, 30).

1-    Depois que Sansão destruir o templo de Dagom, satanás prepara um contra-ataque massivo à tribo de Dan.
2-     Esse contra-ataque trouxe um mal tão grande que foi capaz de deixar a tribo de Dan definitivamente debilitada.
3-    Esta tribo foi chamada para trazer o juízo de Deus à terra, tendo em vista que, em hebraico, Dan significa “juiz”;
4-    Em Apocalipse 7.5-8, há uma referência às doze tribos. Todavia, nessa lista, a tribo de Dan, assim como Efraim, foi omitida.
5-    Isso porque ambas se tornaram as duas tribos que mais cedo e de forma mais intensa se contaminaram e promoveram a idolatria.
6-    Essa história mostra a tragédia de um povo.
7-    Mostra um povo que foi criado para reinar, mas que, por sua desobediência, tornou-se escravo do pecado.
8-    Se você sente que não está vivendo da maneira que Deus sonhou para você, Jesus é capaz de transformar sua vida, fazer com que você passe pelo novo nascimento e se torne um verdadeiro filho de Deus.
9-    Juízes 17.1. Da região montanhosa (Hb. מֵהַר - mehar). O interessante é que esta expressão (mehar) também pode ser lida como mohar (מֹהַר – Gênesis 34.12 e Êxodo 22.16), que significa “dote de casamento”. Ou seja, a expressão “havia um homem da região montanhosa de Efraim” pode ser vista como “havia um homem que pagou um dote para casar-se com Efraim”. Observe que Efraim (‘ephrayim) significa “duplamente frutífero”. Quanto mais fruto você der, mais o inimigo tentará destruí-lo. Jesus é o noivo, e a Igreja obediente é sua noiva. Todavia, aqueles que se rebelam contra a lei divina e praticam o pecado e a idolatria fazem um contrato de casamento com satanás, ou seja, com Mica (Hb. mihayhu), “aquele que é semelhante a Deus”, mas que não é o Deus verdadeiro.   
10-                         Juízes 17.2. Vejam que Mica era um ladrão, que roubou sua própria mãe, e somente devolveu o dinheiro porque ficou com medo da maldição que sua mãe havia lançado sobre o ladrão. Mica representa o inimigo, pois este veio senão para “roubar, matar e destruir” (João 10.10).
11-                      Juízes 17.3. Vejam como eles estavam completamente afastados da lei divina, que expressamente proibia a confecção e a adoração de ídolos. Eles achavam que era possível adorara a Deus através das imagens de escultura. Muito semelhante ao que acontece no Brasil, não acham?
12-                      Alguns comentaristas afirmam que Mica estava fazendo um altar ao Deus verdadeiro. Mas o comentário da própria bíblia judaica (The Jewish Study Bible, da Jewish Publication Society) afirma que se tratava de um culto idólatra.
13-                      “Não faça imagens de nenhuma coisa que há lá em cima no céu, ou aqui embaixo na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não se ajoelhe diante de ídolos, nem os adore, pois eu, o SENHOR, sou o seu Deus e não tolero outros deuses. Eu castigo aqueles que me odeiam, até os seus bisnetos e trinetos. Porém sou bondoso com aqueles que me amam e obedecem aos meus mandamentos e abençôo os seus descendentes por milhares de gerações” (Êxodo 20.4-6 e Deuteronômio 5.8-10).
14-                      Essas não são determinações ocultas e perdidas no meio da Lei divina. Este é o segundo mandamento entre os famosos dez mandamentos. São leis explícitas. Como pode um judeu como Mica ou um suposto cristão dos dias atuais fazer algo que é explicitamente condenado pela bíblia?
15-                      Juízes 17.3. Mil e cem barras de prata. O mesmo valor que foi oferecido a Dalila para que ela descobrisse a fonte de onde emanava a força de Sansão.
16-                      Juízes 17.4. Ourives (Hb. Pry - tsoreph). O ourives é aquele que purifica, através do fogo. Este ourives, pelo contrário, estava sendo um instrumento para a contaminação do povo. Esta é a inversão dos valores e das funções que vemos hoje. A tribo de Dan, feita para reinar, passou a ser escrava. O ourives, feito para purificar, estava poluindo e aviltando sua nação. Aquele que deveria abençoar está amaldiçoando. Alguma semelhança com os dias de hoje?
17-                      O interessante é que a palavra “ourives” (tsoreph) é muito semelhante às palavras “curar” (raphah), “remédio” (rephu’ah), “saúde” (riph’uth), “queimar”, “serpente”, “serafim” (saraph).
18-                      Mas também se assemelha às palavras “ídolo” (teraphiym), “morto” (rapha’).
19-                      Quando o ourives é fiel, ele traz saúde para o povo, ao purificá-lo. Quando, porém, se rebela contra as leis divinas, torna-se instrumento de maldição e morte.
20-                       Juízes 17.4. O ídolo foi colocado “na casa de Mica” (Hb. beveit mihayhu). O curioso é que a expressão “na casa de” pode ser traduzida como “dentro de” (Ezequiel 40.43 e 2 Crônicas 3.10). Ou seja, o ídolo passou a morar “dentro de Mica”.
21-                      O que está por trás de ídolos são demônios. São eles que recebem a adoração que lhes é prestada. Isso não é uma opinião minha, mas um ensinamento do próprio apóstolo Paulo:
22-                      “O que é que eu quero dizer com isso? Que o ídolo ou o alimento que é oferecido a ele tem algum valor? É claro que não! O que estou dizendo é que aquilo que é sacrificado nos altares pagãos é oferecido aos demônios e não a Deus. E eu não quero que vocês tomem parte nas coisas dos demônios” (1 Coríntios 10.19 e 20).
23-                      Ou seja, um espírito imundo (Mateus 12.43) passou a morar não somente na casa de Mica, mas dentro dele.
24-                      Quando deixamos que um ídolo entre em nossa casa, damos autorização para que também façam morada dentro de nós.
25-                      Precisamos expulsar toda essa podridão de nossos lares, em Nome de Jesus!
26-                      Juízes 17.5. Mica fez uma capela. Em hebraico, uma “casa de deuses” (bêyth 'elohiym). Estola sacerdotal e ídolos do lar. Meios para consultar os deuses. Um de seus filhos. Uma consagração ilegítima, já que seu filho não era levita.
27-                      Todavia, devemos lembrar que, naquela época, já que o culto a Deus havia sido abandonado, os levitas não recebiam mais os suprimentos, de modo que abandonaram seu ofício sacerdotal e passaram a buscar seu sustento por outros meios.
28-                      Juízes 17.6. Esta frase representa uma crítica ao que foi relatado acima e serve como uma introdução crítica ao que será narrado em seguida.      
29-                      Juízes 17.7. Um levita não poderia morar em Judá, apenas passar por lá como viajante. Jovem (na’ar). O curioso é que na’ar também pode significar “tremer”, “sacudir” ou “oscilar” (Isaías 33.15). Assim são os jovens: ou tremem de empolgação por fazer o que é certo ou se empolgam em andar em caminhos tortuosos. Neste caso, tratava-se de um jovem levita que titubeou em sua fé.
30-                      Juízes 17.7. O jovem estava à procura de emprego. Muitos jovens, devido à dificuldade de conseguir trabalho, acabam ingressando em algumas atividades que não agradam a Deus.
31-                      Juízes 17.10. Dez barras de prata. Um valor muito alto para aquela época, provando que Mica era um homem de muitas posses. O jovem foi iludido por todo aquele dinheiro. Quantos jovens não se desviam dos caminhos de Deus em busca de dinheiro? Quanto líderes também não seguem este caminho? Veja o caso de Geazi (2 Reis 5.20.27).
32-                      Juízes 17.13. Mica estava tão cego que pensou: agora que tenho um levita, Deus vai ignorar todos os meus erros e me abençoar. Completa cegueira espiritual.
33-                      Juízes 18.1. A tribo de Dan havia sido expulsa de seu território, que ficava nas terras baixas da costa, perto de Zora e Estaol. Nenhuma das demais tribos veio ajudá-los. Quando não ajudamos nossos irmãos, deixamos sobre eles um fardo que não deveriam carregar sozinhos.  
34-                      Juízes 18.7. A cidade de Laís é chamada de Lesém em Josué 19.47. Em hebraico, Lesém (leshem) significa “pedra preciosa”. Era uma cidade muito rica e, ao mesmo tempo, fácil de ser conquistada.
35-                      Todavia, vejam como os judeus transformaram essa pedra preciosa em uma desgraça.
36-                       Juízes 18.20. O sacerdote ficou muito contente. O que mostra que ele preferia seus próprios interesses a uma conduta leal e correta.
37-                      Juízes 18.21. De modo que os soldados ficaram na parte de trás, para que Mica, a quem haviam acabado de roubar, não os atacasse de surpresa por trás.
38-                      Juízes 18.23. Veja o sarcasmo da pergunta dos moradores de Dan, que roubaram aquele homem.
39-                      Juízes 18.24. Os deuses que eu fiz. Uma prova de que Mica realmente não adorava o Deus verdadeiro.
40-                      Juízes 18.30. Vejam que tristeza. Aqui, a bíblia finalmente revel a identidade daquele jovem levita. Trata-se de Jonatas, filho de Gérson e neto de Moisés. Moisés, que havia sido tão fiel a Deus, tem um neto que expõe o nome do Senhor a uma vergonha tão grande, que alguns manuscritos trazem “neto de Manassés”, em vez de “neto de Moisés”, a fim de proteger o nome do grande líder.
41-                      A consequência dessa idolatria está declarada no próprio texto: tornaram-se escravos de um povo estrangeiro.
42-                      O próprio Jesus disse: “Quem é vencido pelo pecado se torna escravo do pecado” (João 8.34).
43-                      Juízes 18.31. Até que a arca esteve em Siló. Ou seja, até que acabou o sacerdócio de Eli, quando a arca foi levada pelos filisteus e seus filhos Hofni e Fineias foram assassinados. É muito provável que, nequela época, Samuel tenha dado fim àquele ídolo que reinava na tribo de Dan e a amaldiçoou durante todo aquele tempo.


15 comentários:

  1. Parabéns um estudo muito aprofundado.

    ResponderExcluir
  2. Esclareceu as minhas duvidas....havia achado o texto um pouco complexo.Deus abencoe...

    ResponderExcluir
  3. Realmente é um texto muito esclarecedor. Pena que raramente é pregado nos púlpitos.

    ResponderExcluir
  4. Realmente é um texto muito esclarecedor. Pena que raramente é pregado nos púlpitos.

    ResponderExcluir
  5. Vlw pastor, sempre trazendo luz. Estava procurando mais informações sobre esse texto e fui encontrar a resposta logo com vc, como sempre! Obrigado.

    ResponderExcluir
  6. Não gostei exagera muito..mas respeito a opinião

    ResponderExcluir
  7. Ao ler esses capítulos fiquei com algumas dúvidas, e vc com esse estudo onde as escrituras são bem examinadas tirou bastante minhas dúvidas. Obrigado pastor, que o Espírito do Senhor Jesus esteja sempre com o seu espírito.

    ResponderExcluir
  8. Ótimo....maravilhoso...mãe havia lido algumas vezes e não via dessa forma.

    ResponderExcluir
  9. Ótimo....maravilhoso...mãe havia lido algumas vezes e não via dessa forma.

    ResponderExcluir
  10. Ótima explanação, sempre acrescenta algo a mais naquilo que já lemos!

    ResponderExcluir
  11. Nossa me ajudou muitoooo...obrigada por trazer entendimento para nos

    ResponderExcluir